Archive for the ‘UCEM “Um Curso Em Milagres”’ Category

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 106

15 de maio de 2015

Que eu me aquiete e escute a verdade.

Se deixarmos a voz do ego de lado, por mais alto que pareça ser o seu chamado, se não aceitares as suas dádivas mesquinhas que nada te dão do que realmente queres; se escutares com uma mente aberta, que não tenha te dito o que é a salvação, então, ouvirás a poderosa Voz da verdade, quieta em poder, forte em serenidade e completamente certa em Suas mensagens. Escuta e ouve o teu Pai te falar através da Voz que Ele designou, Que silencia o trovão daquilo que não tem significado e indica o caminho da paz para aqueles que não podem ver. Fica quieto hoje e escuta a verdade. Não te deixes enganar pelas vozes dos mortos, que te dizem ter achado a fonte da vida e a oferecem para que acredites. Não dês atenção a eles, mas escuta a verdade. Hoje não tenhas medo de desviar-te das vozes do mundo. Caminha com leveza passando pela sua persuasão sem significado. Não lhes dês ouvidos. Fica quieto hoje e escuta a verdade. Passa por todas as coisas que não falam Daquele Que tem a tua felicidade em Suas Mãos e que a oferece a ti com boas-vindas e amor. Dá ouvidos só a Ele hoje, e não espera mais para alcançá-Lo. Hoje, ouve uma única Voz. Hoje, a promessa do Verbo de Deus é cumprida. Ouve e fica em silêncio. Ele quer te falar. Ele vem com milagres mil vezes mais felizes e maravilhosos do que jamais sonhaste ou desejaste nos teus sonhos. Os Seus milagres são verdadeiros. Eles não se desvanecerão quando o sonho acabar. Em vez disso, eles acabam com o sonho e duram para sempre, pois vêm de Deus para o Seu querido Filho, cujo nome é o teu. Hoje, prepara-te para milagres. Hoje, deixa que e cumpra a antiga promessa que teu Pai fez a ti e a todos os teus irmãos.
Escuta-O hoje, e ouve o Verbo que ergue o véu que cobre a terra e desperta todos aqueles que dormem e não podem ver. Através de ti, Deus chama por eles. Ele precisa da tua voz para falar com eles, pois quem poderia alcançar o Filho de Deus senão o Pai, chamando através do teu Ser? Ouve-O hoje e oferece-Lhe a tua voz para falar a toda a multidão que espera para ouvir o Verbo que Ele pronunciará hoje.
Que estejas pronto para a salvação. Ela está aqui e te será dada no dia de hoje. E aprenderás a tua função Daquele Que a escolheu para ti em Nome do teu Pai. Escuta hoje e ouvirás uma Voz Que ressoará pelo mundo inteiro através de ti. O Portador de todos os milagres precisa que os recebas primeiro, tornando-te assim o feliz doador daquilo que recebeste. Assim começa a salvação e assim termina, quando tudo for teu e tudo for dado, ela permanecerá contigo para sempre. E a lição terá sido aprendida. Hoje, estamos praticando o ato de dar, não da forma como o compreendes agora, mas tal como é. Os exercícios de cada hora devem começar com esse pedido para a tua iluminação:

Que eu me aquiete e escute a verdade.
O que significa dar e receber?

Pergunta e espera uma resposta. Essa é uma pergunta cuja resposta tem estado esperando há muito tempo para ser recebida por ti. Ela dará inicio ao ministério para o qual vieste e libertará o mundo do pensamento de que dar é um modo de perder. E assim o mundo vem a estar pronto para compreender e receber. Fica quieto e escuta a verdade hoje. Para cada cinco minutos passados a ouvir, mil mentes se abrem para a verdade e ouvirão o Verbo santo que tu ouves. E, passada a hora, novamente liberarás mais mil mentes, que se deterão para pedir que a verdade lhes seja dada junto contigo. Hoje, o santo Verbo de Deus é cumprido através do teu recebimento para que possas dá-lo, de modo que possas ensinar ao mundo o que significa dar, escutando e aprendendo com Ele. Não esqueças de reforçar a tua escolha de ouvir e receber o Verbo com esse lembrete, que darás a ti mesmo com a maior freqüência possível hoje:

Que eu me aquiete e escute a verdade.
Hoje, sou o mensageiro de Deus, a minha voz é a Sua, para dar o que recebo.

Obrigado, obrigado, obrigado

Anúncios

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 105

14 de maio de 2015

A paz e a alegria de Deus são minhas.

A paz e a alegria de Deus são tuas. Hoje nós as aceitaremos sabendo que nos pertencem. E tentaremos compreender que estas dádivas aumentam à medida que as recebemos. Elas não se assemelham às dádivas que o mundo pode dar, em que o doador perde ao dar e aquele que recebe se enriquece com a sua perda. Tais não são dádivas, mas barganhas feitas com culpa. O que é verdadeiramente dado não acarreta nenhuma perda. É impossível que alguém possa ganhar porque o outro perde. Isso implica em limitação e insuficiência. Nenhuma dádiva é feita dessa forma. Tais “dádivas” não passam de uma oferta visando um retorno maior, um empréstimo com juros a serem pagos integralmente; um empréstimo temporário, significando um compromisso de dividida a ser pago com muito mais do que foi recebido por aquele que aceitou a dádiva. Essa estranha distorção do que significa dar permeia todos os níveis do mundo que vês. Despoja de todo significado as dádivas que dás e não te deixa nada naquelas que recebes. Uma das metas principais do aprendizado que esse curso estabeleceu é o de reverter a tua opinião sobre o que é dar, de modo que possas receber. Pois dar veio a ser uma fonte de medo e, assim, queres evitar o único meio pelo qual podes receber. Aceita a paz e a alegria de Deus e aprenderás um modo diferente de olhar para uma dádiva. Pelo contrário, só aumentam com isso. Assim como a paz e a alegria do céu se intensificam quando tu as aceitas como dádivas de Deus para ti, assim também a alegria do teu Criador cresce quando aceitas a Sua alegria e a Sua paz como
tuas. Dar verdadeiramente é criação. Estende o que é sem limite ao ilimitado, a eternidade à intemporalidade e o amor a si próprio. Acrescenta a tudo o que já é completo, não simplesmente em termos de acrescentar mais, pois isso implicaria que antes era menos. Acrescenta permitindo que aquilo que não pode se conter cumpra o seu objetivo de dar tudo o que tem,assegurando tudo o que  tem para si mesmo eternamente.
Hoje, aceita a paz e a alegria de Deus como tuas. Deixa que Ele complete a Si Mesmo assim como Ele define a completeza. Compreenderás que aquilo que O completa tem que completar o Seu Filho também. Ele não pode dar através da perda. Tu também não podes. Recebe hoje a Sua dádiva de alegria e paz e Ele te agradecerá pela tua dádiva para Ele. Hoje, os nossos períodos de prática começarão de modo um pouco diferente. Começa o dia pensando naqueles irmãos a quem tens negado a paz e a alegria às quais eles têm direito segundo as leis iguais de Deus. Aqui as negaste a ti próprio. E aqui tens que retornar para reivindicá-las como tuas. Pensa nos teus “inimigos” por um momento e dize a cada um deles, à medida que te ocorrem:

Meu irmão, eu te ofereço paz e alegria, para que a paz e a alegria de Deus possam ser minhas.

Assim, tu te preparas para reconhecer as dádivas de Deus para ti e deixar a tua mente livre de tudo o que impediria o teu sucesso hoje. Agora, estás pronto para aceitar a dádiva de paz e alegria que Deus tem dado a ti. Agora estás pronto para experimentar a alegria e a paz que tens negado a ti mesmo. Agora podes dizer: “A paz e a alegria de Deus são minhas”, pois deste aquilo que queres receber. Tens que ter sucesso hoje, se preparares a tua mente como sugerimos. Pois terás permitido que todas as barreiras para a paz e a alegria sejam erguidas, e o que é teu finalmente pode vir a ti. Assim, dize a ti mesmo: “A paz e a alegria de Deus são minhas”, e fecha os teus olhos por um momento e
deixa que a Sua Voz te assegure que as palavras que proferes são verdadeiras. Passa os teus cinco minutos com Ele dessa forma toda vez que puderes no dia de hoje, mas não penses que menos do que isso não terá valor quando não puderes Lhe dar mais. pelo menos lembra te de dizer a cada hora as palavras que O invocam para te dar o que é a Sua Vontade dar e o que é Sua Vontade que recebas. Determina-te hoje a não interferir com o que é Sua Vontade. E se um irmão parecer tentar-te a negar a dádiva de Deus para ele, vê isso apenas como mais uma chance para deixar que recebas as dádivas de Deus como tuas. Então, abençoa o teu irmão com gratidão e dize:

Meu irmão, eu te ofereço paz e alegria, para que a paz e a alegria de Deus possam ser minhas.

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 102

11 de maio de 2015

Eu compartilho a Vontade de Deus de felicidade para mim.

Tu não queres sofrer. Podes pensar que o sofrimento te compra alguma coisa, talvez ainda acredites um pouco que ele te compra o que queres. Mas agora essa crença certamente já está abalada, pelo menos o suficiente para deixar que tu a questiones e suspeites que, na realidade, não faz sentido. Ainda não desapareceu por completo, mas te faltam as raízes que outrora a mantinham firme nos lugares secretos, ocultos e escuros da tua mente. Hoje, tentamos soltar ainda mais o seu jugo enfraquecido e reconhecemos que a dor não tem propósito, não tem causa e nenhum poder para realizar coisa alguma . ela não pode comprar absolutamente coisa alguma. Não oferece nada e não existe. E tudo o que pensas que ela te oferece carece de existência assim como ela. Tens sido escravo do nada. Sê livre, hoje,para unir-te à feliz Vontade de Deus.
Durante vários dias, continuaremos a dedicar os nossos períodos de prática a exercícios planejados para ajudar-te a alcançar a felicidade que a Vontade de Deus colocou em ti. Aqui é o teu lar e aqui está a sua segurança. Aqui está enfim o descanso. Começa os períodos de prática de hoje com essa aceitação da Vontade de Deus para ti:

Eu compartilho a Vontade de Deus de Felicidade para mim, e a aceito como minha função agora.

Em seguida, busca essa função no fundo da tua mente, pois ela está lá, esperando apenas a tua escolha. Não podes falhar em achá-la quando aprenderes que ela é a tua escolha e que compartilhas a Vontade de Deus. Sê feliz, pois a tua única função aqui é a felicidade. Não tens nenhuma necessidade de ser menos amoroso para com o Filho de Deus do que Aquele Cujo Amoro criou tão amoroso quanto Ele Mesmo. Além destes períodos de repouso de cinco minutos a cada hora, faze pausas freqüentes, hoje, para dizer a ti mesmo que agora aceitaste a felicidade como tua única função. E estejas certo de que, ao fazê-lo, estás te unindo à Vontade de Deus.

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 99

8 de maio de 2015

A salvação é a minha única função aqui.

Salvação e perdão são a mesma coisa. Ambos sugerem que algo saiu errado, alguma coisa da qual é preciso ser salvo, alguma coisa pela qual é preciso ser perdoado; algo está errado e precisa de uma mudança corretiva, algo à parte ou diferente da Vontade de Deus. Portanto, ambos os termos sugerem uma coisa impossível, mas que no entanto tem ocorrido resultando num estado de conflito visto entre o que é e o que nunca poderia ser.
Agora, a verdade e as ilusões são iguais, pois ambas têm acontecido. O impossível vem a ser aquilo de que precisas ser perdoado, aquilo de que precisas ser salvo. A salvação agora vem a ser a fronteira entre a verdade e a ilusão. Ela reflete a verdade, porque é o meio pelo qual podes escapar das ilusões. No entanto, ainda não é a verdade, porque desfaz o que nunca foi feito. Como poderia haver algum ponto de encontro onde a terra e o Céu pudessem ser reconciliados dentro de um mente na qual ambos existem? A mente que vê ilusões pensa que são reais. Elas têm existência no sentido de que são pensamentos. E,no entanto, não são reais, porque a mente que pensa esses pensamentos é separada de Deus.
O que une a mente e os pensamentos separados com a Mente e o Pensamento que são para sempre unos? Que plano poderia manter a verdade inviolada e ainda assim reconhecer as necessidades que as ilusões trazem e oferecer os meios para desfazê-las sem ataque e sem nenhum toque de dor? O que mais poderia ser esse plano senão o Pensamento de Deus, pelo qual o que nunca foi feito deixa de ser visto e os pecados que nunca foram reais são esquecidos?
O Espírito Santo mantém esse plano de Deus exatamente como foi recebido, dentro da Mente de Deus e da tua. Ele está à parte do tempo, porque a sua Fonte é intemporal. No entanto, ele opera no tempo devido à tua crença segundo a qual o tempo é real. Inabalável, o Espírito Santo olha para o que tu vês: pecado, dor e morte, pesar, separação e perda. Mas Ele sabe que uma coisa ainda tem que ser verdadeira: Deus ainda é Amor e isso não é a Sua Vontade.
Esse é o Pensamento que traz as ilusões à verdade e as vê como aparências por trás das quais se encontra o que é imutável e o que é certo. Esse é o Pensamento que salva e perdoa, pois não deposita nenhuma fé no que não foi criado pela única Fonte que conhece. Esse é o Pensamento cuja função é salvar dando-te a função que ele tem como tua. A salvação é a tua função com Aquele a Quem o plano foi dado. Agora esse plano foi confiado a ti,junto com Ele. Ele tem uma resposta para as aparências, independentemente de sua forma, tamanho, profundidade ou de qualquer atributo que pareçam ter:

A salvação é a minha única função aqui.

Deus ainda é Amor e isso não é a Sua Vontade.

Tu, que ainda haverás de trabalhar em milagres, certifica-te de praticar bem a ideia para o dia de hoje. Tenta perceber a força no que dizes, pois estas são palavras nas quais está a tua liberdade. O teu Pai te ama. Todo o mundo da dor não é a Sua Vontade. Perdoa-te pelo pensamento de que Ele tenha querido isso para ti. Em seguida, deixa que o Pensamento com o qual Ele substituiu todos os teus equívocos entre nos lugares escuros da tua mente que teve os pensamentos que nunca foram a Sua Vontade.
Essa parte pertence a Deus assim como o resto. Ela não pensa os teus pensamentos solitários e faz com que sejam reais escondendo-os Dele. Deixa entrar a luz e não olharás para nenhum obstáculo àquilo que é a Sua Vontade para ti. Abre os teus segredos à Sua luz benigna e vê com que intensidade essa luz ainda brilha em ti.
Pratica o Seu Pensamento hoje e deixa a Sua luz buscar e iluminar todos os pontos escuros, e brilhar através deles para uni-los ao resto. É a Vontade de Deus que a tua mente seja uma com a Sua.
É a Vontade de Deus não ter senão um Filho. É a Vontade de Deus que tu sejas o Seu único Filho.
Pensas nestas coisas ao praticares hoje, e começa a lição que aprendemos hoje com essa instrução no caminho da verdade:

A salvação é a minha única função aqui.

A salvação e o perdão são a mesma coisa.

Em seguida, volta-te para Aquele Que compartilha a tua função aqui e deixa-O ensinar-te o que precisas aprender para deixares de lado todo o medo e conheceres o teu Ser como o amor que não tem nenhum oposto em ti.
Perdoa todos os pensamentos que querem se opor à verdade da tua completeza, unidade e paz. Tu não podes perder as dádivas que o teu Pai te deu. Tu não queres ser outro ser. Não tens outra função que não seja a de Deus. Perdoa-te pela função que tu pensas que fizeste. O perdão e a salvação são a mesma coisa. Perdoa o que tens feito e tu és salvo. Há uma mensagem especial para o dia de hoje que tem o poder de remover para sempre da tua mente todas as formas de dúvida e de medo. Se fores tentado a acreditar que são verdadeiras, lembra-te de que as aparências não podem resistir à verdade que estas palavras poderosas contêm:

A salvação é a minha única função aqui.

Deus ainda é Amor, e isso não é Sua Vontade.

A tua única função te diz que tu és um só. Lembra-te disso nos intervalos entre os cinco minutos que dás para serem compartilhados com Aquele Que compartilha o plano de Deus contigo. Lembra-te:

A salvação é a minha única função aqui.

Assim, tu colocas o perdão na tua mente e permites que todo medo seja gentilmente posto de lado, para que o Amor possa achar o seu lugar de direito em ti e mostrar-te que tu és o Filho de Deus.

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de exercícios, Lição 98

7 de maio de 2015

Vou aceitar a minha parte no plano de Deus para a salvação.

Hoje é um dia dedicado a algo especial. Tomaremos um só partido hoje. Estamos do lado da verdade e soltamos as ilusões. Não vacilaremos entre as duas, mas nos posicionaremos firmemente em favor da Única. Hoje, nos dedicamos à verdade e à salvação, assim como Deus planejou que fosse. Não argumentaremos que é outra coisa. Não a buscaremos onde não está. Com contentamento, nós a aceitamos tal como é e assumimos a parte que nos foi designada por Deus.
Que felicidade é ter certeza! Hoje, deixamos todas as nossas dúvidas de lado e tomamos o nosso partido com certeza de propósito, agradecidos porque a dúvida se foi e a certeza veio. Temos um grandioso propósito a cumprir e tudo o que precisamos para alcançar a meta nos foi dado. Nem um único equívoco obstrui o nosso caminho. Isso porque fomos absolvidos de erros. Todos os nossos pecados foram lavados e sumiram por compreendermos que eram apenas equívocos. Aqueles que são sem culpa não têm medo, pois estão seguros e reconhecem sua segurança. Não apelam para a mágica, nem inventam escapatórias de ameaças imaginárias em realidade. Eles descansam na quieta certeza de que farão o que lhes for dado fazer. Não duvidam da sua própria capacidade porque sabem que a sua função será cumprida completamente no tempo e no lugar perfeitos. Eles tomaram o partido que tomaremos hoje para que possamos compartilhar da sua certeza e assim aumentá-la aceitando-a nós mesmos.
Eles estão conosco, todos aqueles que tomaram o partido que estamos tomando hoje, e alegremente nos oferecem tudo o que aprenderam e todos os ganhos que realizaram. Aqueles que ainda estão incertos também se juntarão a nós e tomando emprestado a nossa certeza, a tornarão ainda mais forte. Enquanto isso, aqueles que ainda não nasceram ouvirão o chamado que ouvimos e responderão quando vierem para fazer a sua escolha outra vez. Hoje, nós não escolhemos só por nós mesmos.
Será que não vale cinco minutos de cada hora do teu tempo ser capaz de aceitar a felicidade que Deus te deu? Será que não vale cinco minutos de cada hora reconhecer a tua função especial aqui?
Cinco minutos não é apenas um pequeno pedido para se ganhar uma recompensa tão grande que não tem medida? Tu já fizeste pelo menos mil barganhas nas quais saíste perdendo. Aqui está uma oferta que te garante a plena liberação de todo tipo de dor e a alegria que o mundo não contém. Podes trocar um pouco do teu tempo pela paz da tua mente e certeza de propósito com a promessa de sucesso completo. E, uma vez que o tempo não tem significado, não se está pedindo nada em troca de tudo. Eis uma barganha que não podes perder. E o que ganhas é, de fato, sem limites! A cada hoje, hoje, dá-Lhe a tua diminuta dádiva de apenas cinco minutos. Ele dará às palavras que usares ao praticar a ideia de hoje a profunda convicção e a certeza que te faltam. As Suas palavras se unirão às tuas e farão de cada repetição da ideia de hoje uma oferenda total, feita com uma fé tão perfeita e segura quanto a Sua em ti. A Sua confiança em ti trará luz a todas as palavras que disseres, e irás além do seu som até o que elas realmente significam. Praticas com Ele hoje ao dizeres:

Vou aceitar a minha parte no plano de Deus para a salvação.

Em cada cinco minutos que passares com Ele, Ele aceitará as tuas palavras e as devolverá a ti, reluzindo com uma fé e uma confiança tão fortes e constantes que iluminarão o mundo com esperança e contentamento. Não percas uma única chance de ser o feliz destinatário das Suas dádivas para que possas dá-las ao mundo hoje. Dá-Lhe as Suas palavras e Ele fará o resto. Ele te tornará capaz de compreender a tua função especial. Ele abrirá o caminho para a felicidade, e a paz e a confiança serão as Suas dádivas, a Sua resposta às tuas palavras. Ele responderá que o que dizer é verdade com toda a Sua fé, alegria e certeza. E então terás a convicção Daquele Que sabe qual é a tua função tanto na terra quanto no Céu. Ele estará contigo a cada período de prática que compartilhares com Ele, dando-te a intemporalidade e a paz em troca de cada instante que Lhe ofereceres. Durante a hora, deixa que teu tempo passe preparando-te com alegria para os próximos cinco minutos que voltarás a passar com Ele. Repete a ideia de hoje enquanto esperas que o momento de contentamento venha a ti mais uma vez. Repete-acom freqüência e não esqueças que a cada vez que o fazes, deixas a tua mente ser preparada para o feliz momento que virá. E quando a hora passar e Ele estiver aí mais uma vez para passar um pouco de tempo contigo, sê grato e deixa de lado todas as tarefas terrenas, todos os pequenos pensamentos e idéias limitadas e de novo passa um momento feliz com Ele. Dize-Lhe mais uma vez que aceitas a parte que Ele quer que assumas e Ele te ajudará a cumpri-la, e fará com que estejas certo de que queres essa escolha que Ele fez contigo e tu com Ele.

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 97

6 de maio de 2015

Eu sou espírito.

A ideia de hoje te identifica com o teu único Ser. não aceita nenhuma identidade dividida, nem tenta tecer fatores opostos na unidade. Apenas declara a verdade. Pratica essa verdade hoje com a maior freqüência possível, pois ela trará a tua mente do conflito aos quietos campos da paz. Nenhum calafrio de medo pode entrar, pois a tua mente foi absolvida da loucura soltando as ilusões de uma identidade dividida.
Declaramos mais uma vez a verdade sobre o teu Ser, o santo Filho de Deus Que descansa em ti, Cuja mente foi restaurada à sanidade. Tu és o espírito amorosamente dotado de todo o Amor, da paz e da alegria do teu Pai. Tu és o espírito que completa a Ele Mesmo e que compartilha a Sua função como Criador. Ele está contigo sempre, assim como tu estás com Ele.
Hoje, tentamos trazer a realidade para mais perto ainda da tua mente. a cada vez que praticas a consciência é trazida para um pouco mais perto pelo menos; às vezes mil anos ou mais são poupados. Os minutos que dás são multiplicados muitas vezes, pois o milagre faz uso do tempo, mas não é regido por ele. A salvação é um milagre, o primeiro e o último, o primeiro que é o último, pois é um só.
Tu és o espírito em cuja mente habita o milagre no qual todo o tempo pára, o milagre no qual um minuto passado usando estas idéias vem a ser um tempo que não tem limites e não tem fim. Dá, então, estes minutos com boa vontade e conta com Aquele Que prometeu depositar a intemporalidade ao lado deles. Ele oferecerá toda a Sua força para cada pequeno esforço que fizeres. Dá-Lhes os minutos de que Ele precisa hoje para ajudar-te a compreender com Ele que tu és o espírito que habita Nele e, através da Sua Voz, chama todas as coisas viventes, oferece a Sua vista a todos aqueles que podem e substitui o erro pela simples verdade.
O Espírito Santo ficará contente em tomar cinco minutos de cada hora das tuas mãos e carregá-los através desse mundo sofredor, onde a dor e a miséria parecem dominar. Ele não deixará de ver nem uma mente aberta que queira aceitar as dádivas da cura que estes minutos trazem, e Ele as depositará em todos os lugares onde sabe que serão bem-vindas. E elas aumentarão em seu poder de cura a cada vez que alguém as aceita com os seus próprios pensamentos e as usa para curar.
Assim, cada dádiva oferecida a Ele será multiplicada mil vezes e dez mil vezes mais. e quanto te for devolvida, ultrapassará em força a pequena dádiva que tu deste tanto quanto a radiância do sol ultrapassa o diminuto lampejo que o vaga-lume faz por um momento incerto e depois se apaga. O constante brilho dessa luz permanece e te conduz para fora da escuridão e não serás capaz de esquecer o caminho outra vez.
Começa estes alegres exercícios com as palavras que o Espírito Santo te diz e deixa-as ecoar pelo mundo afora através Dele:

Eu sou espírito, um Filho santo de Deus, livre de todos os limites, seguro, curado e íntegro, livre para perdoar e livre para salvar o mundo.

Expressa através de ti, o Espírito Santo aceitará essa dádiva que recebeste Dele, aumentará o seu poder e a devolverá a ti. Hoje, oferece alegremente cada período de prática a Ele. E Ele falará contigo, lembrando-te que tu és espírito, um com Ele e com Deus, com teus irmãos e com teu Ser. Escuta a Sua confirmação a cada vez que disseres as palavras que Ele te oferece hoje e deixa-O dizer à tua mente que são verdadeiras. Usa-as contra a tentação e escapa das suas tristes conseqüências de cederes à crença de que és alguma outra coisa. Hoje, o Espírito Santo te dá paz. Recebeas Suas palavras e oferece-as a Ele.

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 96

5 de maio de 2015

A salvação vem do meu único Ser.

Embora sejas um único Ser, tu te vivencias como dois: como bom e mau, amoroso e cheio de ódio, mente e corpo. Esse senso de estares dividido em opostos induz a sentimentos de conflito agudos e constantes e conduz a frenéticas tentativas de reconciliar os aspectos contraditórios dessa auto-percepção. Tens buscado muitassoluções desse tipo, mas nenhuma delas funcionou. Os opostos que vês em ti mesmo jamais serão compatíveis. Apenas um existe. Se queres ser salvo tens que aceitar o fato de que a verdade e a ilusão não podem ser reconciliadas, independentemente de como tentes, dos meios que uses e de onde vês o problema. Até aceitares isso, tentarás uma serie infindável de metas que não podes alcançar, uma série de dispêndios sem sentido de tempo e esforço, de esperanças e dúvidas, cada uma tão fútil quanto a anterior e destinada ao fracasso como a próxima certamente há de ser.
Problemas que não têm significado não podem ser resolvidos dentro da estrutura em que estão situados. Dois seres em conflito não têm resolução e o bem e o mal não têm ponto de encontro. O ser que tu fizeste nunca pode ser o teu Ser e o teu Ser não pode ser dividido em dois, e ainda ser o que Ele é e o que tem que ser para sempre. Uma mente e um corpo não podem ambos existir. Não faças nenhuma tentativa para reconciliar os dois, pois um nega que o outro possa ser real. Se és físico, a tua mente desapareceu do teu conceito de ti mesmo, pois não há nenhum lugar no qual ela possa realmente ser parte de ti. Se és espírito, então o corpo tem que ser sem significado para a tua realidade.
O Espírito faz uso da mente como meio de achar a expressão do próprio Ser. E a mente que serve ao espírito está em paz e cheia de alegria.O seu poder vem do espírito e ela está cumprindo com felicidade a sua função aqui. Entretanto, a mente também pode se ver divorciada do espírito e se perceber no interior de um corpo que ela confunde consigo mesma. Então, sem a sua função, ela não tem paz e a felicidade é alheia aos seus pensamentos.
No entanto, a mente à parte do espírito não pode pensar. Ela negou a sua Fonte de força e vê a si mesma como impotente, limitada e fraca. Agora, dissociada de sua função, pensa estar só e separada, atacado por exércitos reunidos contra ela e esconder-se por trás do frágil amparo do corpo.
Agora, tem que reconciliar o desigual como o igual, pois pensa que é para isso que serve. Não desperdices mais tempo nisso. Quem pode resolver os conflitos sem sentido que um sonho apresenta? O que a resolução poderia significar na verdade? A que propósito poderia servir? Para que serve? A salvação não pode fazer com que as ilusões sejam reais, nem resolver um problema que não existe. Talvez esperes que possa. No entanto, quererias que o plano de Deus para a liberação do Seu querido Filho lhe trouxesse dor e falhasse em libertá-lo? O teu Ser retém os Seus pensamentos e estes permanecem dentro da tua mente e na Mente de Deus. O Espírito Santo mantém a salvação na tua mente e oferece a ela o caminho para a paz. A salvação é um pensamento que compartilhas com Deus, porque a Sua Voz a aceitou para ti e respondeu em teu nome que estava realizada. Assim a salvação está guardada entre os pensamentos que o teu Ser valoriza e nutre por ti.
Hoje tentaremos achar esse pensamento, cuja presença na tua mente é garantida por Aquele Que te fala do teu único Ser. A nossa prática de cinco minutos por hora será buscá-Lo no interior da tua mente. A salvação vem deste único Ser através Daquele Que é a ponte entre a tua mente e Ele. Espera pacientemente e deixa-O falar-te sobre o teu Ser e sobre o que a tua mente pode fazer restaurada a Ele e livre para servir à Sua Vontade. Começa dizendo isso:

A salvação vem do meu único Ser. Os Seus pensamentos são meus para que eu os possa usar.

Em seguida, busca os Seus pensamentos e reivindica-os como teus. Estes são os teus próprios pensamentos reais que tens negado e deixaste a tua mente se dispersar num mundo de sonhos para achar ilusões em seu lugar. Eis aqui os teus pensamentos, os únicos que tens. A salvação está entre eles; acha-a lá.
Se tiveres sucesso, os pensamentos que virão a ti te dirão que estás salvo e que a tua mente achou a função que buscava perder. O teu Ser te dará boas-vindas e a paz. Com as forças restauradas, ela fluirá novamente do espírito para o espírito em todas as coisas criadas pelo Espírito como Ele Mesmo. A tua mente abençoará todas as coisas. Finda a confusão, tu és restaurado pois achaste o teu Ser. O teu Ser sabe que hoje não podes falhar. Talvez a tua mente permaneça insegura ainda por pouco tempo. Não fiques consternado por isso. O teu Ser guardará para ti a alegria que Ele experimenta e essa ainda será tua em plena consciência. Toda vez que passares cinco minutos de cada hora buscando Aquele Que une a tua mente ao teu Ser, estarás Lhe oferecendo mais um tesouro para ser guardado para ti. A cada vez que disseres no dia de hoje à tua mente frenética que a salvação vem do teu Ser, estás depositando mais um tesouro na tua reserva crescente. E ela é dada por inteiro a quem pedir e aceitar a dádiva. Pensa, então, no quanto te é dado para dar nesse dia, para que seja dado a ti!

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 92

30 de abril de 2015

Milagres são vistos na luz, e a luz e a força são uma só.

A ideia para o dia de hoje é uma extensão da anterior. Tu não pensas na luz em termos de força e na escuridão em termos de fraqueza. Isso é assim porque a tua ideia do que significa ver está presa ao corpo, aos olhos do corpo e ao cérebro. Assim, acreditas que podes mudar o que vês pondo pedacinhos de vidro diante dos teus olhos. Essa é uma das muitas crenças mágicas que vêm da convicção de que és um corpo e de que os olhos do corpo podem ver.
Também acreditas que o cérebro do corpo pode pensar. Se apenas compreendesses a natureza do pensamento, poderias apenas rir dessa ideia insana. É como se pensasses que tens nas mãos o fósforo que ilumina o sol e lhe dá todo o calor; ou que manténs o mundo dentro da tua mão, bem preso, até que o deixes ir. No entanto, isso não é mais tolo do que acreditar que os olhos do corpo podem ver e o cérebro pensar. É a força de Deus em ti que é a luz na qual vês, assim como é com a Sua Mente que pensas. A Sua força nega a tua fraqueza. É a tua fraqueza que vê através dos olhos do corpo e espreita na escuridão para contemplar algo que lhe seja semelhante: o pequeno, o fraco, o doentio e o moribundo, o necessitado, o desvalido e o que tem medo, o triste, o pobre, o faminto e o que não tem alegria. Esses são vistos através de olhos que não podem ver e não podem abençoar. A força ignora todas essas coisas vendo além das aparências. Mantém o seu olhar constante sobre a luz que está além. Ela se une à luz, da qual faz parte. Ela vê a si mesma. Ela traz a luz na qual o teu Ser aparece. Na escuridão, percebes um ser que não existe. A força é a verdade sobre ti, a fraqueza é um ídolo falsamente venerado e adorado para que a força possa ser dissipada e a escuridão reine onde Deus designou que houvesse luz.
A força vem da verdade e brilha com a luz que a sua Fonte lhe deu, a fraqueza reflete a escuridão daquele que a fez. Ela é doente e olha para a doença que é como ela mesma. A verdade é um salvador e só pode exercer a vontade em favor da felicidade e da paz para todos. Ela dá a sua força a todo aquele que pede, suprindo a todos sem limites. Ela vê que o que falta em qualquer um falta em todos. E, assim, dá a sua luz para que todos possam ver e beneficiar-se como um só. A sua força é compartilhada para que possa trazer a todos o milagre no qual eles se unirão em propósito, em perdão e em amor.
A fraqueza, que olha na escuridão, não pode ver propósito no perdão e no amor. Vê a todos como diferentes de si mesma e nada no mundo que ela queira compartilhar. Julga e condena, mas não ama. Permanece na escuridão para esconder-se e sonha que é forte e conquistadora, uma vitoriosa sobre limitações que apenas crescem na escuridão em enormes proporções.
Ela tem medo, ataca e se odeia e a escuridão cobre tudo o que vê, deixando os seus sonhos tão amedrontadores quanto ela própria. Aqui não há milagres, só ódio. Ela se separa do que vê, enquanto a luz e a força se percebem como uma só. A luz da força não é a luz que tu vês. Não muda, não vacila e não se apaga. Não passa da noite para o dia, e de volta à escuridão até que a manhã venha outra vez.
A luz da força é constante, tão segura quanto o amor, eternamente feliz em se dar, pois só pode dar a si mesma. Ninguém pode pedir em vão para compartilhar da sua vista e nenhum daqueles que entrar na sua morada pode partir sem um milagre diante dos seus olhos e força e luz habitando no seu coração.
A força em ti te oferecerá a luz e guiará a tua vista, de modo que não habites nas sombras vãs que os olhos do corpo proveem para o auto-engano. A força e a luz se unem em ti e onde se encontram está o teu Ser pronto para abraçar-te como o que Lhe é próprio. Tal é o ponto de encontro que tentamos achar hoje e nele descansar, pois a paz de Deus está onde o teu Ser, o Seu Filho, está agora esperando para se encontrar Consigo Mesmo outra vez e ser um só.
Hoje, por duas vezes, vamos dar vinte minutos para nos unirmos a essa reunião. Deixa-te levar até o teu Ser. a Sua força será a luz na qual a dádiva da vista te será dada. Então, deixa o escuro por um momento hoje e praticaremos ver na luz, fechando os olhos do corpo e pedindo à verdade que nos mostre como achar esse ponto de encontro do ser com o Ser, onde a luz e a força são uma só.
Praticaremos assim de manhã e à noite. Após o encontro da manhã, usaremos o dia em preparação para o momento à noite em que nos encontraremos novamente em confiança. Vamos repetir a ideia para o dia de hoje com a maior freqüência possível e reconhecer que estamos sendo introduzidos à visão, e conduzidos para longe da escuridão em direção à luz onde só milagres podem ser percebidos.

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 91

29 de abril de 2015

Milagres são vistos na luz.

É importante lembrar que milagres e visão vão necessariamente juntos. Isso precisa ser repetido e repetido freqüentemente. Essa é uma idéia central no teu novo sistema de pensamento e na percepção que ele produz. O milagre está sempre aqui. A sua presença não é causada pela tua visão, a sua ausência não é um resultado do teu fracasso em ver. Só a tua consciência dos milagres é afetada. Tu os verás na luz, não os verás no escuro.
Para ti, então, a luz é crucial. Enquanto permaneces na escuridão, o milagre permanece sem ser visto. Assim, ficas convencido de que ele não está aqui. Isso decorre das premissas das quais vem a escuridão. A negação da luz conduz ao fracasso em percebê-la. O fracasso em perceber a luz é perceber a escuridão. Nesse caso, a luz é inútil para ti embora esteja aqui. Tu não podes usá-la porque a sua presença é desconhecida para ti. E a aparente realidade da escuridão faz com que a ideia da luz seja sem significado.
Ser informado de que o que não vês está presente soa como insanidade. É muito difícil te convenceres de que é insanidade não ver o que está presente e, ao invés disso, ver o que não está.
Não duvidas de que os olhos do corpo podem ver. Não duvidas de que as imagens que eles te mostram são a realidade. A tua fé está na escuridão e não na luz. Como isso pode ser revertido? Para ti é impossível, mas não estás sozinho nisso.
Os teus esforços, por menores que possam ser, contam com apoio forte. Se apenas reconhecesses o quanto é grande essa força, as tuas dúvidas se desvaneceriam. Hoje vamos nos dedicar à tentativa de deixar com que sintas essa força. Quando tiveres sentido em ti a força que faz com que todos os milagres estejam facilmente ao teu alcance, não duvidarás. Ao sentir a força dentro de ti, os milagres, que o teu senso de fraqueza escondem, saltarão à tua consciência.
Três vezes ao dia hoje, reserva dez minutos, aproximadamente, para um momento de quietude em que tentarás deixar a tua fraqueza para trás. Isso é realizado de modo muito simples ao instruíres ti mesmo que não és um corpo. A fé vai para o que tu queres, e instruis a tua mente de acordo com isso. A tua vontade continua sendo o teu professor, e a tua vontade tem toda a força para fazer o que ela deseja. Podes escapar do corpo, se assim escolheres. Podes experimentar a força em ti. Começa os períodos de prática mais longos com essa declaração das verdadeiras relações entre causa e efeito:

Os milagres são vistos na luz.
Os olhos do corpo não percebem a luz.
Mas eu não sou um corpo. O que sou eu?

A pergunta que conclui essa declaração é necessária para os nossos exercícios de hoje. O que pensas que és, é uma crença a ser desfeita. Mas o que realmente és tem que ser revelado a ti. Acreditar que és um corpo pede correção, pois é um erro. A verdade do que és convoca a força em ti para trazeres à tua consciência aquilo que o equívoco oculta. Se não és um corpo, o que és tu? Precisas estar ciente do que o Espírito Santo usa para substituir a imagem de um corpo na tua mente. precisas sentir algo em que possas depositar a tua fé à medida em que a retiras do corpo. Precisas ter uma real experiência de outra coisa, algo mais sólido e mais seguro, mais digno da tua fé e realmente presente.
Se tu não és um corpo, o que és tu? Pergunta isso com honestidade e, em seguida, dedica vários minutos a deixar que os teus pensamentos equivocados sobre características tuas sejam corrigidos e substituídos pelos seus opostos. Dize, por exemplo:

Eu não sou fraco, mas forte.
Eu não sou impotente,mas todo poderoso.
Eu não sou limitado, mas ilimitado.
Eu não tenho dúvida, mas certeza.
Eu não sou uma ilusão,mas uma realidade.
Eu não posso ver na escuridão, e sim na luz.

Na segunda fase do período de exercícios, tenta experimentar estas verdades sobre ti mesmo. Concentra-te particularmente na experiência da força. lembra-te de que todo senso de fraqueza é associado à crença segundo a qual tu és um corpo, uma crença que é equivocada e não merece nenhuma fé. Tenta remover a tua fé dessa crença, nem que seja por um momento. À medida em que avançamos, tu te acostumarás a manter a tua fé naquilo que é mais digno em ti. Relaxa no resto do período deprática, confiante de que os teus esforços, por menores que sejam, são plenamente apoiados peça força de Deus e de todos os Seus Pensamentos. É Deles que virá a tua força. É através do Seu forte apoio que sentirás a força em ti. Eles estão unidos a ti nesse período de prática, no qual compartilhas um propósito como o Deles Próprios. Deles é a luz em que verás os milagres, pois a Sua força é a tua. Deles é a força que vem a ser os teus olhos para que possas ver.
Cinco ou seis vezes por hora, a intervalos razoavelmente regulares, lembra-te de que os milagres são vistos na luz. Certifica-te também de fazer frente a qualquer tentação com a ideia de hoje. Essa forma poderia te ser útil nesse propósito especial:

Milagres são vistos na luz.
Que eu não feche os olhos por causa disso.

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 90

28 de abril de 2015

Para essa revisão usaremos estas idéias:

1. Que eu reconheça o problema para que ele possa ser resolvido.

Que eu reconheça hoje que o problema é sempre alguma forma de mágoa que quero alimentar. Que eu compreenda também que a solução é sempre um milagre pelo qual permito que a mágoa seja substituída. Hoje, quero me lembrar da simplicidade da salvação, reforçando a lição de que há um só problema e só há uma solução. O problema é uma mágoa, a solução é um milagre. E eu convido a solução a vir a mim, perdoando a mágoa, e dando as boas-vindas ao milagre que vem ocupar o seu lugar.

2. Aplicações específicas dessa idéia poderiam ser feitas destas formas:

Isso apresenta um problema para mim que eu quero ver resolvido.
O milagre que está por trás dessa mágoa vai resolvê-la para mim.
A resposta para esse problema é o milagre que ele oculta.

3. Que eu reconheça que os meus problemas foram resolvidos.

Eu pareço ter problemas só porque estou fazendo mau uso do tempo. Acredito que o problema vem primeiro, e que é preciso que o tempo passe antes que ele possa ser resolvido. Não vejo o problema e a resposta como simultâneos em sua ocorrência. Isso acontece porque ainda não reconheço que Deus pôs a resposta junto com o problema, de modo que não possam ser separados pelo tempo. O Espírito Santo me ensinará isso, se eu Lhe permitir. E eu compreenderei que é impossível ter um problema que já não tenha sido solucionado.

4. Estas formas da ideia serão úteis para aplicações específicas:

Eu não preciso esperar para que isso seja resolvido.
A resposta para esse problema já me foi dada, se eu a aceitar.
O tempo não pode separar esse problema da sua solução.

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 89

27 de abril de 2015

Estas são nossas idéias de revisão para hoje:

1. Eu tenho direito a milagres.

Eu tenho direito a milagres porque não estou sujeito a nenhuma lei senão às de Deus. As Suas leis me liberam de todas as mágoas e as substituem por milagres. E eu quero aceitar o que as leis de Deus me dão direito a ter para que possa usar isso à favor da função que Ele me deu.

2. Poderias usar estas sugestões para as aplicações especificas dessa ideia:

Por trás disso há um milagre ao qual tenho direito.
Que eu não guarde mágoas de ti, [nome], mas que eu ofereça o milagre que te pertence.
Visto de modo verdadeiro, isso me oferece um milagre.

3. Que os milagres substituam todas as mágoas.

Através dessa ideia, uno a minha vontade à Vontade do Espírito Santo e as percebo como uma só.
Através dessa ideia aceito a minha liberação do inferno. Através dessa ideia expresso a minha disponibilidade para ter todas as minhas ilusões substituídas pela verdade, conforme o plano de Deus para a minha salvação. Eu não quero fazer exceções ou achar substitutos. Quero todo o Céu, e só o Céu, como é a Vontade de Deus que eu tenha.

4. Algumas formas específicas úteis na aplicação dessa ideia seriam:

Não quero guardar mágoas à parte da minha salvação.
Que as nossas mágoas sejam substituídas por milagres, [nome].
Por trás disso está o milagre pelo qual todas as minhas mágoas são substituídas.

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 86

24 de abril de 2015

Estas são as idéias para a revisão de hoje:

1. Só o plano de Deus para a salvação funcionará.

Não faz sentido para mim procurar loucamente a salvação em toda parte. Eu a tenho visto em muitas pessoas e em muitas coisas, mas quando quis alcançá-la não estava lá. Estava equivocado quanto ao lugar onde ela está. Estava equivocado quanto ao que ela é. Não empreenderei mais nenhuma busca vã. Só o plano de Deus para a salvação funcionará. E me alegrarei porque o Seu plano nunca pode fracassar.

2. Estas são algumas formas sugeridas para a aplicação dessa idéia de modo especifico:

O plano de Deus para a salvação me salvará da minha percepção disso.
Isso não é nenhuma exceção no plano de Deus para a minha salvação.
Que eu perceba isso só à luz do plano de Deus para a salvação.

3. Guardar mágoas é um ataque ao plano de Deus para a salvação.

Guardar mágoas é uma tentativa de provar que o plano de Deus para a salvação não funcionará. No entanto, só o Seu plano funcionará. Ao guardar mágoas estou, portanto, excluindo a minha única esperança de salvação da minha consciência. Não quero mais sabotar os meus maiores interesses desse modo insano. Quero aceitar o plano de Deus para a salvação e ser feliz.

4. Aplicações específicas dessa ideia poderiam tomar estas formas:

Ao olhar para isso, estou escolhendo entre uma percepção equivocada e a salvação.
Se eu vir uma justificativa para mágoas nisso,
Não verei justificativa para a minha salvação.
Isso pede salvação, não ataque.

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 84

22 de abril de 2015

Estas são as idéias para a revisão de hoje:

1. O Amor me criou como Ele Mesmo.

Eu sou como o meu Criador. Eu não posso sofrer, eu não posso experimentar nenhuma perda, e eu não posso morrer. Eu não sou um corpo. Eu quero reconhecer a minha realidade hoje. Não adorarei ídolos, nem erguerei o meu próprio auto conceito para substituir o meu Ser. Eu sou como meu Criador. O Amor me criou como Ele Mesmo.

2. Talvez aches estas formas específicas úteis para a aplicação da ideia:

Que eu não veja nisso uma ilusão de mim mesmo.
Ao olhar para isso, que eu me lembre do meu Criador.
Meu Criador não criou isso como eu o vejo.

3. O Amor não guarda mágoas.

Mágoas são completamente alheias ao amor. Mágoas atacam o amor e mantém a sua luz obscura. Se eu guardo mágoas, estou atacando o amor, portanto, atacando o meu Ser. Assim o meu Ser vem a ser  alheio a mim. Estou determinado a não atacar o meu Ser hoje, para que eu possa lembrar Quem eu sou.

4. Estas formas específicas para a aplicação dessa idéia poderiam ser úteis:

Isso não é justificativa para negar o meu Ser.
Eu não vou usar isso para atacar o amor.
Que isso não me tente a atacar a mim mesmo.

Obrigado, obrigado, obrigado

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 79

17 de abril de 2015

Que eu reconheça o problema para que ele possa ser resolvido.

Um problema não pode ser resolvido se não souberes do que se trata. Mesmo que, na realidade, já esteja resolvido, ainda terás o problema, pois não vais reconhecer que já foi resolvido. Essa é a situação do mundo. O problema da separação que é realmente o único problema, já foi resolvido. No entanto, a solução não é reconhecida porque o problema não é reconhecido. Todas as pessoas nesse mundo parecem ter seus próprios problemas especiais. No entanto, todos são o mesmo e têm que ser reconhecidos como um só, se é que há de aceitar a única solução que resolve todos eles. Quem pode ver que um problema já foi resolvido se pensa que o problema é outro? Mesmo que lhe seja dada a resposta, ele não consegue ver a sua relevância. Essa é a posição na qual tu te achas agora. Tens a resposta, mas ainda não tens certeza de qual é o problema. Uma longa série de problemas diversos parece confrontar-te e assim que um deles é resolvido, surge outro, e mais outro. Parecem não ter fim. Não há nenhum momento em que te sintas completamente livre de problemas e em paz. A tentação de considerar os problemas como se fossem muitos é a tentação de manter o problema da separação sem solução. O mundo parece apresentar-te um grande número de problemas, cada um exigindo uma resposta diferente. Essa percepção te coloca numa posição em que o teu modo de resolver problemas tem que ser inadequado e o fracasso é inevitável. Ninguém poderia resolver todos os problemas que o mundo parece conter. Parecem estar em tantos níveis, ter formas tão diversas e conteúdo tão variado, que eles te confrontam com uma situação impossível. Ao considerá-los, o desalento e a depressão são inevitáveis. Alguns surgem de modo inesperado, justamente quando achas que tinhas resolvido os anteriores. Outros permanecem sem solução sob uma nuvem de negação e erguem-se para assombrar-te de vez em quando, apenas para esconderem-se mais uma vez, mas ainda sem solução.
Toda essa complexidade nada mais é do que uma tentativa desesperada de não reconhecer o problema e, assim, não deixar que seja resolvido. Se pudesses reconhecer que o teu único problema é a separação, independente da forma que tome, aceitarias a resposta, pois verias a sua relevância. Ao perceber a Constância subjacente em todos os problemas que parecem confrontar-te, compreenderias que tens o meio para resolver todos eles. E usarias esse meio, porque reconhecerias o problema. Em nossos períodos de prática mais longos de hoje, perguntaremos qual é o problema e qual a resposta para ele. Não pressuporemos que já sabemos. Tentaremos libertar as nossas mentes de todos os diferentes tipos de problemas que pensamos ter. Tentaremos nos dar conta de que temos um só problema, o qual temos falhado em reconhecer. Perguntaremos qual é o problema e esperaremos a resposta. Ela nos será dita. Então, pediremos a solução. E ela nos será dita. Os exercícios de hoje terão sucesso na medida em que não insistires em definir o problema. Talvez não tenhas sucesso em soltar todas as tuas noções preconcebidas, mas isso não é necessário.
É preciso apenas que permitas alguma dúvida quanto à realidade da tua versão de quais são os teus problemas. Estás tentando reconhecer que a solução te foi dada ao reconhecer o problema, de modo que o problema e a solução possam se juntar e possas ficar em paz.
Os períodos de prática mais curtos para o dia de hoje não serão estabelecidos por tempo, mas pela necessidade. Verás muitos problemas hoje, cada um pedindo uma resposta. Nossos esforços serão dirigidos ao reconhecimento de que só há um problema e uma resposta. Nesse reconhecimento todos os problemas são resolvidos. Nesse reconhecimento há paz.
Não te deixes enganar pela forma dos problemas hoje. Quando qualquer dificuldade parecer surgir, dize a ti mesmo imediatamente:

Que eu reconheça esse problema para que ele possa ser resolvido.

Em seguida, tenta suspender qualquer julgamento sobre o que é o problema. Se possível, fecha os olhos por um momento e pergunta qual é o problema. Serás ouvido e serás respondido.

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 78

16 de abril de 2015

Que os milagres substituam as mágoas.

Talvez ainda não esteja bem claro para ti que cada decisão que tomas é uma decisão entre uma mágoa e um milagre. Cada mágoa se ergue como um escudo escuro de ódio diante do milagre que quer ocultar. E ao erguê-lo diante dos teus olhos, não verás o milagre que está além. No entanto, durante todo o tempo ele espera por ti na luz, mas ao invés disso contemplas as tuas mágoas. Hoje, vamos além das mágoas, preferindo contemplar o milagre. Reverteremos o teu modo de ver não deixando a vista estancar antes de ver. Não esperaremos diante do escudo de ódio, mas o deixaremos de lado e ergueremos gentilmente nossos olhos em silêncio para contemplar o Filho de Deus.
Ele espera por ti atrás de tuas mágoas e, à medida que as colocares de lado, ele aparecerá em luz resplandecente no lugar em que cada uma antes ocupava. Pois toda mágoa é um bloqueio à vista e à medida que é suspendido, verás o Filho de Deus onde ele sempre esteve. Ele está na luz, mas tu estavas na escuridão. Cada mágoa fazia com que a escuridão fosse mais profunda e não podias ver. Hoje, tentaremos ver o Filho de Deus. Não nos permitiremos ficar cegos para ele, não olharemos para nossas mágoas. Assim se reverte o modo de ver do mundo, ao olharmos em direção à verdade para longe do medo. Selecionaremos uma pessoa que tenhas usado como alvo de tuas mágoas e as deixaremos de lado e olharemos para ela. Alguém de quem talvez tenhas medo ou até odeies; alguém que pensas que amasse que te deixou com raiva; alguém que chamas de amigo, mas vês como às vezes complicado, ou difícil de agradar, exigente, irritante, ou infiel ao ideal que ele deveria aceitar para si próprio de acordo com o papel que designaste para ele. Tu sabes a quem escolher, o seu nome já cruzou a tua mente. ele será aquele através do qual pedimos que o filho de Deus te seja mostrado. Ao vê-lo além das mágoas que guardaste contra ele, aprenderás que o que estava escondido enquanto tu não o vias, existe em todos e pode ser visto. Aquele que era inimigo, é mais do que um amigo quando é libertado para assumir o papel santo que o Espírito Santo designou para ele. Deixa que ele seja o salvador para contigo hoje. Tal é o seu papel no plano de Deus, teu Pai. Os nossos períodos de prática mais longos de hoje o verão nesse papel. Procurarás conservá-lo na tua mente, primeiro tal como o consideras agora. Reverás os seus defeitos, as dificuldades que tens tido com ele, a dor que ele te causou, a sua negligencia e todas as pequenas e grandes feridas que ele te provocou. Considerarás o seu corpo com os respectivos defeitos e qualidades, pensarás nos
seus erros e até mesmo nos seus “pecados”. Em seguida, peçamos Àquele Que conhece esse Filho de Deus na sua realidade e verdade, para que possamos olhá-lo de maneira diferente, e vejamos o nosso salvador, resplandecente à luz do verdadeiro perdão que nos foi dado. Pedimos a Ele, no santo Nome de Deus e de Seu Filho, tão santo quanto Ele Mesmo:

Que eu contemple meu salvador naquele que foi designado por Ti como aquele a quem devo pedir que me conduza à luz santa onde ele está de modo que eu possa me unir a ele.

Os olhos do corpo estão fechados e, ao pensares naquele que te magoou, deixa que a luz que existe dentro dele seja mostrada à tua mente além das tuas mágoas. O que pediste não pode ser negado. O teu salvador está esperando por isso há muito tempo. Ele quer ser livre, e fazer com que a sua liberdade seja tua. O Espírito Santo se inclina a partir dele para ti, sem ver nenhuma separação no Filho de Deus. E o que vês através do Espírito Santo libertará a ambos. Fica bem quieto agora e olha para o teu salvador resplandecente. Nenhuma mágoa escura obscurece o que vês nele. Permitiste que o Espírito Santo expressasse através dele o papel que Deus Lhe deu, para que pudesses ser salvo. Deus te é grato por estes momentos de quietude de hoje, nos quais deixaste as tuas imagens de lado e, em seu lugar, olhaste para o milagre do amor que o Espírito Santo te mostrou. O mundo e o Céu se unem em agradecimento a ti, pois nenhum Pensamento de Deus pode deixar de regozijar-se quando tu és salvo, e todo o mundo contigo.
Nós nos lembraremos disso ao longo do dia e assumiremos o papel que nos foi designado como parte do plano de Deus a salvação, e não o nosso. A tentação desaparece quando permitimos que cada pessoa que encontramos nos salve e nos recusamos a esconder, atrás das nossas mágoas, a sua luz. Deixa que o papel de salvador seja dado a cada pessoa que encontrares e àquelas em quem pensas ou àquelas que lembras do passado, a fim de que possas compartilhá-lo com ela. Para ambos, assim como para todos aquele que não vêem, fazemos uma prece:

Que os milagres substituam todas as mágoas.

Obrigado, obrigado, obrigado

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 77

15 de abril de 2015

Eu tenho direito a milagres.

Tens direito a milagres pelo que tu és. Receberás milagres pelo que Deus é. E oferecerás milagres porque és um com Deus. Ainda uma vez, como é simples a salvação. É meramente uma declaração da tua verdadeira Identidade. É por isso que celebraremos hoje. O teu direito a milagres não está nas tuas ilusões sobre ti mesmo. Ele não depende de nenhum dos poderes mágicos que tens atribuído a ti mesmo, nem de nenhum dos rituais que tens inventado. Ele é inerente à verdade do que és. Ele está implícito no que Deus, Teu Pai, é. Ele te foi assegurado na tua criação e garantido pelas leis de Deus.
Hoje, nós reivindicaremos os milagres aos quais tens direito, uma vez que pertencem a ti. A ti foi prometida a plena liberação do mundo que fizeste. A ti foi assegurado que o Reino de Deus está dentro de ti e nunca pode ser perdido. Não pedimos nada mais do que o que na verdade nos pertence. Hoje, todavia, nos certificaremos de que não nos contentaremos com menos.
Começa os períodos de prática mais longos dizendo a ti mesmo, com muita confiança, que tens direito a milagres. Fechando os olhos, lembra-te de que só estás pedindo o que é teu por direito. Lembra-te também de que os milagres nunca são tirados de uma pessoa para serem dados a outra e que ao pedires os teus direitos, estás apoiando os direitos de todos. Milagres não obedecem às leis desse mundo. Eles meramente decorrem das leis de Deus. Após essa breve fase introdutória, espera em quietude pela confirmação de que o teu pedido é concedido. Pediste a salvação do mundo e a tua própria. Requisitaste que te sejam dados os meios pelos quais isso pode ser realizado. Não podes deixar de receber a confirmação disso. Estás apenas pedindo que a Vontade de Deus seja feita. Ao fazeres isso, realmente não pedes nada. Declaras um fato que não pode ser negado. O Espírito Santo não pode deixar de te assegurar que o teu pedido é concedido. O fato de que aceitaste não pode ser negado. Não existe hoje lugar para a dúvida e a incerteza. Nós estamos finalmente fazendo uma pergunta real. A resposta é a declaração simples de um fato simples. Receberás a garantia que buscas.
Os nossos períodos de prática mais curtos serão freqüentes e também serão dedicados a lembrar um fato simples. Hoje, dize a ti mesmo com freqüência:

Eu tenho direito a milagres.

Pede-os sempre que surgir uma situação em que não forem necessários. Reconhecerás essas situações. E como não estás dependendo de ti mesmo para achar o milagre, tens pleno direito de recebê-lo sempre que o pedires:
Lembra-te também de não te satisfazeres com menos do que a resposta perfeita. Imediatamente dize a ti mesmo, no caso de seres tentado:

Eu não trocarei milagres por mágoas. Quero só o que me pertence. Deus estabeleceu milagres como meu direito.

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 76

14 de abril de 2015

Eu não estou sujeito a outras leis senão às de Deus.

Já observamos antes quantas coisas sem sentido te pareceram ser a salvação. Cada uma tem te aprisionado com leis tão sem sentido quanto ela mesma. Não estás preso por elas. Mas para compreenderes que isso é assim, em primeiro lugar é preciso que reconheças que salvação não está lá. Enquanto queres buscá-la em coisas que não têm significado, tu te prendes a leis que não fazem nenhum sentido. Assim, buscas provar que a salvação está onde não está.
Hoje, ficaremos contentes por não poderes provar isso. Pois, se pudesses, estarias para sempre buscando a salvação onde ela não está e jamais a acharias. A ideia para o dia de hoje mais uma vez te diz quão simples é a salvação. Procura-a onde ela espera por ti e lá será achada. Não procures em nenhum outro lugar, pois ela não está em nenhum outro lugar. Pensa na liberdade que há no reconhecimento de que não estás preso a todas as estranhas leis distorcidas que tens estabelecido para salvar-te. Realmente pensas que morrerás de fome se não tiveres montes de tiras de papel verde e pilhas de discos de metal* (*O “papel verde” e os “discos de metal” são referências à moeda dos Estados Unidos da América). Realmente pensas que uma pequena pílula redonda ou um pouco de líquido introduzido na tua veia por uma agulha pontiaguda afastará a doença e a morte. Realmente pensas que estás só, se não houver outro corpo contigo. É a insanidade que pensa nessas coisas. Tu as chamas de leis e as dispõe sob diferentes nomes num longo catálogo de ritos que não tem nenhuma utilidade e não serve a nenhum propósito. Pensas que tens que obedecer às “leis” da medicina, da economia e da saúde. Protege o corpo e serás salvo. Essas não são leis, mas loucura. O corpo só sofre para que a mente deixe de ver que é vítima de si mesma. O sofrimento do corpo é uma máscara mantida pela mente para ocultar o que realmente sofre. Ela não quer compreender que é a sua própria inimiga, que ataca a si mesma e quer morrer. É disso que as tuas “leis” querem salvar o corpo. É por isso que pensas que és um corpo.
Não há outras leis senão as leis de Deus. É preciso repetir isso muitas e muitas vezes, até que reconheças que se aplica a tudo o que tens feito em oposição à Vontade de Deus. A tua magia não tem significado. O que ela pretende salvar não existe. Só o que ela pretende esconder te salvará. As leis de Deus nunca podem ser substituídas. Dedicaremos o dia de hoje a nos regozijarmos por ser assim. Já não é mais uma verdade que queremos esconder. Em vez disso, reconheceremos que é uma verdade que nos mantém livres para sempre. A magia aprisiona, mas as leis de Deus libertam. A luz veio porque não há outras leis senão as de Deus.
Começaremos os períodos de prática mais longos de hoje com uma breve revisão dos vários tipos de “leis” que acreditamos ter que obedecer. Esses incluiriam por exemplo, as “leis” da nutrição, da imunização, da medicação e da proteção ao corpo de inúmeras maneiras. Pensa ainda mais; tu acreditas nas “leis” da amizade, dos “bons” relacionamentos e reciprocidade. Talvez até penses que existem leis estabelecendo o que é de Deus e o que é teu. Muitas “religiões” têm sido baseadas nisso, não pretendem salvar, mas condenar em nome do Céu. No entanto, elas não são mais estranhas do que outras “leis” que insistes ter que obedecer para fazer com que te salves. Não há outras leis senão as de Deus. Afasta todas as tolas crenças mágicas hoje e mantém a tua mente em silenciosa prontidão para ouvir a voz Que te fala a verdade. Estarás escutando Aquele Que diz que não há perda sob as leis de Deus. Nenhum pagamento é feito ou recebido. Trocas não podem ser feitas, não há substitutos e nada toma o lugar de outra coisa. As leis de Deus dão eternamente e nunca tiram.
Ouve Aquele Que te diz isso e reconhece quão tolas são as “leis” que no teu pensamento sustentavam o mundo que pensavas ver. Então, escuta mais. Ele te dirá mais. Sobre o Amor que o teu Pai tem por ti. Sobre a alegria sem fim que Ele te oferece. Sobre o quanto Ele anseia pelo Seu único Filho, criado como o Seu canal para a criação e que Lhe foi negado pela sua própria crença no inferno.
Hoje, vamos abrir os canais de Deus para Ele e deixar a Sua Vontade estender-se através de nós até Ele. Assim aumenta a criação infindavelmente. A Sua Voz nos falará disso, assim como das alegrias do Céu que as Suas leis conservam para sempre ilimitadas. Vamos repetir a idéia de hoje até que tenhamos escutado e compreendido que não há nenhuma lei senão as de Deus. Então, diremos a nós mesmos, como uma oferenda com a qual o período de prática é concluído:

Eu não estou sujeito a outras leis senão às de Deus.

Repetiremos essa oferenda hoje, com a maior freqüência possível, pelo menos quatro ou cinco vezes por hora, bem como ao longo do dia em resposta a qualquer tentação de nós vivenciarmos como se estivéssemos sujeitos a outras leis. É a nossa declaração de liberdade contra todo perigo e toda tirania. É o nosso reconhecimento de que Deus é o nosso Pai e Seu Filho está salvo.

Obrigado, obrigado, obrigado.

UCEM, Livro de Exercícios, Lição 75

13 de abril de 2015

A luz veio.

A luz veio. Estás curado e podes curar. A luz veio. Estás salvo e podes salvar. Estás em paz e trazer a paz contigo onde quer que vás. A escuridão, o tumulto e a morte desapareceram. A luz veio. Celebramos hoje o final feliz do teu longo sonho de desventuras. Agora, já não há sonhos escuros. A luz veio. Começa hoje o tempo da luz para ti e para todos. É uma nova era na qual um novo mundo nasceu. O velho mundo não deixou nenhum vestígio à sua passagem. Hoje, vemos um mundo diferente porque a luz veio. Os nossos exercícios para o dia de hoje serão exercícios felizes, nos quais damos graças pela passagem do velho mundo e o começo do novo. Nenhuma sombra do passado permanece para escurecer a nossa vista e ocultar o mundo que o perdão nos oferece. Hoje, aceitaremos o novo mundo como o que queremos ver. O que desejamos nos será dado. Nossa vontade é ver a luz; a luz veio. Os nossos períodos de prática mais longos serão dedicados a olhar para o mundo que o nosso perdão nos mostra. É isso que queremos ver, e apenas isso. O nosso propósito único faz com que a nossa meta seja inevitável. Hoje o mundo real surge à nossa frente em contentamento para enfim ser visto. Agora, como veio a luz, a visão nos é dada. Hoje, não queremos ver a sombra do ego sobre o mundo. Vemos a luz e nela vemos o reflexo do Céu que estende-se sobre o mundo. Começa os períodos de prática mais longos dando a ti mesmo as boas-novas da tua liberação:

A luz veio. Eu perdoei o mundo.

Não te detenhas no passado hoje. Conserva a mente completamente aberta, lavada de todas as idéias passadas e limpa de todos os conceitos que tens feito. Hoje perdoaste o mundo. Pode olhar para ele agora como se nunca o tivesses visto antes. Ainda não sabes qual é o aspecto que ele tem. Meramente aguardas para que ele te seja mostrado. Enquanto aguardas, repete várias vezes lentamente com toda paciência:

A luz veio. Eu perdoei o mundo.

Reconhece que o teu perdão te dá direito à visão. Compreende que o Espírito Santo nunca falha em dar a dádiva da vista àquelas que perdoam. Acredita que Ele não te falhará agora. Perdoaste o mundo. Ele estará contigo enquanto vigias e esperas. Ele te mostrará o que a verdadeira visão vê. É a Sua Vontade e tu te uniste a Ele. Espera pacientemente por Ele. Ele estará lá. A luz veio. Perdoaste o mundo. Dize-Lhe que tu sabes que não podes falhar porque confias Nele. E dize a ti mesmo que esperas na certeza de olhar para o mundo que Ele te prometeu. A partir deste momento, verás de maneira diferente. Hoje, a luz veio. E tu verás o mundo que te foi prometido desde o início dos tempos, no qual o fim dos tempos está garantido. Os períodos de prática mais curtos também serão lembranças alegres da tua liberação. Lembra-te, mais ou menos a cada quinze minutos, de que hoje é um dia de celebração especial. Dá graças pela misericórdia e pelo Amor de Deus. Regozija-te pelo poder do perdão de curar a tua vista completamente. Tem confiança de que nesse dia há um novo começo. Sem a escuridão do passado sobre teus olhos, não podes falharem ver hoje. E o que verás será tão bem vindo, que alegremente estenderás o dia de hoje para sempre. Então, dize:

A luz veio. Eu perdoei o mundo.

Se fores tentando, dize a qualquer um que parece estar te puxando de volta à escuridão:

A luz veio. Eu te perdoei.

Dedicamos esse dia à serenidade na qual Deus quer que estejas. Guarda-a na tua consciência de ti mesmo e tua a verás por toda parte hoje, à medida que celebramos o princípio da tua visão e a vista do mundo real, que veio para substituir o mundo sem perdão que pensavas ser real.

Obrigado, obrigado, obrigado.

O que é o Mundo Real

12 de dezembro de 2013

000_920066_307966526000397_461359771_o

 

O mundo real é um símbolo, como o resto do que a percepção oferece. Mas representa o oposto daquilo que fizeste. O teu mundo é visto através dos olhos do medo e traz à tua mente os testemunhos do terror. O mundo real não pode ser percebido exceto através de olhos que o perdão abençoa, de modo que vejam um mundo onde o terror é impossível e onde testemunhos do medo não podem ser achados.
O mundo real possui uma contrapartida para cada pensamento infeliz refletido no teu mundo; uma correção certa para as cenas de medo e para os sons de batalha que o teu mundo contém. O mundo real mostra um mundo visto de modo diferente, através de olhos serenos e com a mente em paz. Nele só há descanso fora do perdão. E o que vês é gentil. Apenas cenas e sons felizes podem alcançar a mente que perdoou a si mesma.
Que necessidade tem essa mente de pensamentos de morte, ataque e assassinato? O que pode perceber ao seu redor, senão a segurança, o amor e a alegria? O que pode existir que escolhesse condenar e o que quereria julgar desfavoravelmente? O mundo que ela vê surge de uma mente em paz consigo mesma. Não há perigos à espreita em nada do que é visto por ela, pois é benigna e só
contempla a benignidade.
O mundo real é o símbolo de que o sonho do pecado e da culpa terminou e o Filho de Deus não está mais dormindo. Seus olhos despertos percebem o reflexo seguro do Amor de seu Pai, a promessa certa de que foi redimido. O mundo real significa o fim do tempo, pois percebê-lo faz com que o tempo não tenha nenhum propósito.
O Espírito Santo não tem necessidade de tempo, uma vez que esse já tenha servido ao Seu propósito. Agora, Ele só espera por aquele único instante a mais para que Deus dê o Seu passo final e o tempo desapareça, levando consigo a percepção e deixando apenas a verdade para ser ela mesma.
Esse instante é a nossa meta, pois contém a memória de Deus. E, ao olharmos para um mundo perdoado, é Ele Que nos chama e vem para nos levar para casa, lembrando-nos da nossa Identidade Que o nosso perdão restituiu a nós. (LE L 291)

Obrigado, Obrigado, Obrigado.

O que é o Perdão

10 de dezembro de 2013
“O perdão reconhece que o que pensaste que teu irmão fez a ti não ocorreu. Ele não perdoa tornando-os reais. Ele vê que não há pecado. E, nesse modo de ver, todos os teus pecados são perdoados. O que é o pecado, senão uma ideia falsa sobre o Filho de Deus? O perdão simplesmente vê a sua falsidade e, portanto, a abandona. A Vontade de Deus passa, então, a ser livre para ocupar agora o espaço que lhe é devido.
Um pensamento que não perdoa é um pensamento que faz um julgamento que ele não questionará, embora não seja verdadeiro. A mente está fechada e não será liberada. O pensamento protege a projeção, apertando as suas correntes de modo que as distorções se tornem mais veladas e mais obscuras; menos acessíveis à dúvida e mais afastadas da razão. O que poderia se interpor entre uma projeção fixa e o objetivo que ela escolheu como sua meta?
Um pensamento que não perdoa faz muitas coisas. Persegue sua meta ativa e freneticamente, distorcendo e derrubando o que vê como interferências no atalho que escolheu. A deturpação é o seu propósito, assim como o meio pelo qual quer realizá-lo. Ele se lança nas suas tentativas furiosas de esmagar a realidade, sem se preocupar com o que quer que seja que aparentemente contradiga o seu ponto de vista.
O perdão, por sua vez, é quieto e na quietude nada faz. Não ofende nenhum aspecto da realidade, nem busca distorcê-la para encaixá-la em aparências que lhe agradam. Apenas olha e espera e não julga. Aquele que não quer perdoar tem que julgar, pois tem que justificar o seu fracasso em perdoar. Mas aquele que quer perdoar a si mesmo tem que aprender a dar boas-vindas à verdade exatamente como ela é.
Assim sendo, não faças nada e deixa o perdão te mostrar o que fazer através Daquele Que é o teu Guia, teu Salvador e Protetor, forte em esperança e certo do teu êxito final. Ele já te perdoou, pois essa é a Sua função, dada por Deus. Agora é preciso que compartilhes a Sua função e perdoes aqueles que Ele salvou, cuja impecabilidade Ele vê e a quem honra como o Filho de Deus.” (LE-parteII.1)
“O perdão é a chave da felicidade. Despertarei do sonho de que sou mortal, falível e cheio de pecado, e saberei que sou Filho perfeito de Deus”. (LE-pl.121)
Obrigado, Obrigado, Obrigado.

Caminhos que se cruzam (23)

4 de janeiro de 2013

tumulo_da_ressurreicao-theresurrectionofthechr

ANO NOVO

Tudo o que percebemos com a visão é o resultado da luz emitida ou refletida pelo objeto “percebido”. A luz possui uma velocidade constante, (aproximadamente 300.000 km/seg), um raio de luz do nosso sol demora aproximadamente oito minutos para chegar até nós. Dessa forma quando percebemos esse raio, quando olhamos para o nosso Sol, estamos vendo não o presente, mas o passado, algo que ocorreu há oito minutos atrás. A estrela mais próxima da Terra depois do Sol é Próxima Centauri, a sua distância da Terra corresponde a 270 mil vezes a distância da Terra ao Sol, ou aproximadamente 4,2 anos-luz, ou seja, a luz de Próxima Centauri leva 4 anos para chegar até aqui. É uma percepção do passado, de 4 anos atrás! E essa é a estrela mais próxima… Quando olhamos para o céu à noite estamos vendo o passado, luzes que viajaram milhares, milhões de anos. Provavelmente algumas já se extinguiram e nem existem mais ou ainda estão em outro local totalmente diferente do que estamos observando! O que observamos não corresponde à realidade, ao presente, mas ao passado. Nossa mente vive do passado e no passado. Jesus em um dos exercícios do UCEM ensina: “Idéias velhas sobre o tempo são muito difíceis de serem mudadas, porque tudo aquilo em que acreditas tem suas raízes no tempo…” mais à frente no texto Ele diz: “Olha para uma xícara, por exemplo. Vês uma xícara, ou estás meramente revendo as tuas experiências passadas de pegar uma xícara, estar sedento, beber, sentir a borda de uma xícara contra os teus lábios, tomar café e assim por diante? E as tuas reações estéticas em relação à xícara, também não estão baseadas em experiências passadas? De que outra maneira saberias se, ao deixá-la cair, esse tipo de xícara se quebraria ou não? O que sabes sobre essa xícara exceto o que aprendeste no passado? Exceto pelo teu aprendizado passado, não terias nenhuma idéia do que é essa xícara. Então, será que realmente a vês?” Esta idéia pode ser estendida a tudo, sem exceção, à uma xícara, à uma estrela, ao mundo todo que nos rodeia, e à nós mesmos. Tudo o que nos aflige e nos desequilibra seja negativamente ou positivamente está baseado em pensamentos, sentimentos ou atitudes experimentadas no passado próximo ou distante. Da mesma forma que olhamos para o céu estrelado e vemos uma falsa realidade, a qualidade dos nossos relacionamentos, nossos medos, raivas, julgamentos, conceitos e pré conceitos são baseados na ilusão do passado que criamos em nossas mentes e que cuidamos e veneramos como se fosse real. No Novo Testamento Jesus diz “…Ninguém tira remendo de vestido novo e o põe em vestido velho; de outra forma rasgará o novo, e o remendo do novo não condirá com o velho. Outrossim ninguém põe vinho novo em odres velhos; de outra forma o vinho novo arrebentará os odres, e ele se derramará, e estragar-se-ão os odres. Pelo contrário vinho novo deve ser posto em odres novos. Ninguém que já bebeu vinho velho, quer o novo; porque diz: O velho é bom.” Que este ano que se inicia seje realmente NOVO, que tenhamos coragem, força e sabedoria para deixarmos não a luz do passado mas a Luz dos Milagres entrar em nossas mentes e corações. Que o Espírito Santo possa renovar o velho e que todos possamos beber do Vinho Novo.

Caminhos que se cruzam (22)

17 de dezembro de 2012

Obrigado, Obrigado, Obrigado.

Caminhos que se cruzam (19)

25 de outubro de 2012

“A tua tarefa não é buscar o amor,mas simplesmente buscar e achar todas as barreiras que construíste dentro de ti contra ele. Não é necessário buscar o que é verdadeiro,mas é necessário buscar o que é falso. Toda ilusão é uma ilusão de medo, não importa a forma que tome. E a tentativa de escapar de uma ilusão para outra tem que falhar. Se buscas o amor fora de ti mesmo, podes estar certo de que percebes o ódio dentro de ti e tens medo desse ódio. No entanto a paz nunca virá da ilusão do amor, mas só da sua realidade.” UCEM

A PROMESSA DE KRISHNA A ARJUNA

“Um dia, há milhares de anos, Krishna e Arjuna caminhavam em silêncio pelo alto de uma montanha apreciando a paisagem que se descortinava na extensa planície abaixo.
Os olhos do Senhor brilhavam e poderia se dizer que o azul do céu estava neles. Parecia que as miríades de estrelas do universo habitavam aquele olhar sereno, e ao mesmo tempo, divertido como o olhar de uma criança travessa.
Ele voltou-se para o seu discípulo-arqueiro e disse-lhe: Narananda, os homens carregam o esplendor divino em seus olhos, mas permitem que as hordas inferiores de seus dramas tome posse de suas vidas e os levem ao reino do caos.
O resultado disso é a guerra e a miséria. Em lugar do brilho, eles portam um ar de tristeza e sentem-se abandonados pelos céus.
Na verdade, eles foram abandonados por eles mesmos. Esqueceram do Supremo que habita em seus corações e entregaram-se às emoções grossas. Permitiram que as ondas trevosas de seus egos chegassem às praias secretas do coração.
Veja, os seus olhos estão opacados pela tristeza. Parecem seres deserdados da divindade, mas isso não é verdade. Continuam sendo crianças divinas e cheias de potencial criativo.
Meu amigo, eles olham para as estrelas do céu e sentem saudades, mas não percebem as estrelas que brilham nos céus de seus corações. Esperam pela vinda de algum salvador celeste que lhes oriente na jornada e diga-lhes o que fazer, mas não são capazes de acessar as vibrações miríficas que as hostes celestes derramam continuamente sobre eles a partir dos planos sutis.
Ah, homens da Terra!
Falam de perdão sem perdoar. Brincam de amar sem amor. Falam do Supremo com suas bocas tristes e pretendem aprisionar o Divino em seus dogmas violentos.
Observam os defeitos alheios e por isso não percebem o tamanho do próprio rabo arrastando-se pelo solo de seus dramas. Parece que se acostumaram à semiconsciência e a inércia consciencial.
No entanto, apesar de tudo isso, ainda são crianças divinas. O tempo lhes orientará na jornada da experiência e eles crescerão em inteligência e amor. São eternos e são amados pelo Céu mais do que imaginam.
Narananda, Eu os amo incondicionalmente e estarei com eles em todo o tempo de sua jornada na Terra e mais além…
Nada poderá afastar-me deles, nem mesmo as suas ingratidões ou os seus gritos de tristeza descabida. Minhas hostes de trabalhadores invisíveis estarão aportando continuamente as luzes espirituais nos caminhos daqueles que batalharem por dias melhores na existência de todos.
Muitos de meus trabalhadores reencarnarão sucessivamente na crosta do mundo e espalharão as luzes do esclarecimento espiritual. Eles serão portadores de clarinadas luminosas e despertarão a muitos outros em suas tarefas.
Meu caro, prometo-lhe que nunca deixarei de abraçar invisivelmente a humanidade. Enquanto os homens não despertarem, Eu estarei viajando com eles dentro do coração espiritual. Eles não perceberão minha presença, mas tocarei a minha flauta e alguns escutarão lindas canções enquanto trabalham no despertar. Outros perceberão a minha dança e o meu sorriso amparando-os sutilmente na jornada.
Você também entrará na roda reencarnatória e servirá aos seus irmãos em meu nome. Viajará com eles por várias vidas, como homem igual e simples, lado a lado, e entregará os frutos de seu labor a Mim, o senhor de sua vida e mentor de seus propósitos.
E quando o seu coração for preso pela angústia e pela solidão, lembre-se do meu sorriso. Em qualquer situação estranha, pense em Mim. Quando você ver o cadáver de uma criança morta ou de um ancião, pense em Mim.
Você sabe: o espírito não nasce nem morre, apenas entra e sai dos corpos perecíveis. Que fogo poderá queimar o eterno? Que água poderá molhar a estrela divina? Que morte poderá matar a consciência espiritual, que não tem idade ou forma e pertence a eternidade?
Ao ver os cadáveres dos homens estirados nos campos de batalha ou nos lugares sitiados pela fome, pense em Mim. Eu abraçarei aqueles que partirem na jornada final e os guiarei pelo reinos espirituais da paz imperecível.
Arjuna, onde você estiver orando pelo bem dos homens, aí Eu estarei. Confia no dharma que estou lhe dando e siga trabalhando sem jamais fraquejar diante da incompreensão humana. Eles ainda são crianças, mas despertarão!” Mahabharata

Obrigado, Obrigado, Obrigado.

Caminhos que se cruzam (16)

13 de setembro de 2012


SHIVA, seu nome significa amável, afetuoso, auspicioso. A Trindade Hindu é Brahma-Criador, Vishnu-Mantenedor e Shiva-Destruidor e Regenerador , o que se equivale a Trindade ocidental, Pai-Criador, Filho-Mediador e Espírito Santo-Consolador. Todos os três são manifestações de Brahman. Não confundir Brahma com Brahman. Brahman é Deus no princípio, com a palavra. A Trindade serve sob Brahman e a palavra. Brahman é a essência pura, Deus sem atributos. Brahman realiza-se a si mesmo e torna-se Brahma, Vishnu e Shiva, os três pontos da trindade. Isto é deus com atributos. A Mãe Divina é o principio feminino de cada aspecto de Deus. Shiva é o Espírito Santo que consome os focos de ignorância e anti-amor, Shiva é o destruidor da maldade, do ódio, da doença e dos demônios. Ele é também o alimentador que dá a longa vida, mas ele não dará este alimento antes de haver purificado a taça. Shiva atua no raio do amor intenso, amor consumidor. Quando invocar Shiva prepare-se para a purificação pelo Santo fogo do amor. Shiva é associado com a morte porque acima de tudo ele é o destruidor do ego humano e da mente carnal. Shiva também é a morte das mortes e o doador da imortalidade para seus devotos. Shiva freqüentemente aparece com a face branca como a neve, cabelos opacos, vestido com uma pele de tigre, como um yogi. Ele é amigo dos yogis e é quem os ajuda a atingir suas metas de realização em Deus. São yogis, todos aqueles que colocam sobre seus ombros o trabalho de Jesus que é luz e que é fácil. Shiva nos dá a força necessária para vencer a serpente do eu inferior para que possamos atingir a iluminação. Shiva é conhecido também como o distribuidor dos sete rios santos, isto significa que ele é quem distribuí a luz em nosso chakras e nos ajuda a controlar e equilibrar a luz em nossos chakras. Shiva nos dá a abertura do terceiro olho, isto representa a abertura do terceiro olho do conhecimento que destrói a ignorância. Shiva é o Senhor da dança. sua dança destrói os grilhões que aprisionam a alma. Ele dança triunfalmente sobre os demônios que personificam a ignorância e a ilusão. Quando dança, Shiva representa a verdade cósmica. SHIVA NATARAJA é a principal estatua de Shiva, Shiva Nataraja significa “Shiva, o Rei da Dança”, pois ele cria os universos, com sua dança frenética. A estátua apresenta Shiva dançando, com quatro braços. Esta dança chama-se Tandava. O primeiro braço, com a palma à frente, quer dizer: “Não vos atemorizeis com a mensagem terrível que vos trago, pois também apresento a solução”. O segundo braço segura um pequeno tambor que marca o ritmo da dança, e que quer significar: “Tudo no universo segue um ritmo, e está sujeito a uma ordem temporal”. O tambor representa também o som através do qual o universo foi criado. Com o terceiro braço, o que segura as línguas de fogo, Shiva diz: “Aproxima-se o tempo de destruir o que se construiu, para se completar o ciclo da criação. Assim como no passado o mundo antigo acabou-se pelas águas de um dilúvio, agora ele será destruído pelo fogo”. Os fachos de fogo ao redor da figura carregam a seguinte mensagem: “A redondeza da Terra será queimada pelo fogo”. Um pé está esmagando uma figura animalesca, que representa a natureza inferior e animal do homem. O quarto braço apresenta a salvação, ao apontar para o pé levantado, querendo dizer: “O homem não deve atender às solicitações das suas más inclinações, de suas más paixões, dos instintos bestiais, oriundos da sua natureza animal, inferior, e sim seguir sua natureza superior, espiritual: deve abster-se do ódio, dos vícios, dos excessos, obter o autocontrole. Seu pé esquerdo erguido mostra-nos que podemos elevar-nos e atingir salvação. Quando dança, Shiva representa a verdade cósmica. Shiva é o grande guru que vem para nos salvar da ignorância, do esquecimento e do ego humano. Seu terno amor liberta-nos de tudo que nos separa da unidade com ele. Diga SHIVA OM – SHIVA OM – SHIVA OM. SHIVA é o poder e OM é a materialização deste poder na terra. Repita este mantra varias vezes por dia, e principalmente quando estiver perante problemas como desordem, brigas, animais bravos, ladrões e etc. Grite por SHIVA e não se arrependerá de ver o seu poder de ordem em ação. Shiva deve ser visualizado também fazendo o mantra OM NAMO SHIVAYA, que significa eu me curvo diante de ti Sr. Shiva. Ao entoar este e outros mantras de Shiva visualize-o em torno de você. Enquanto entoa o mantra curve-se diante de Shiva. Visualize o fogo rubi em torno de Shiva e ao seu redor consumindo toda a imperfeição do seu ser. Espere pela união com Shiva através de sua devoção, invocações, mantras e visualização. Finalmente veja Shiva sobre você e você dentro dele. Como terceira pessoa da trindade hindu, ele destrói o universo ao final de cada era para que este possa ser criado de novo. Ele vem com fogo consumidor do amor divino que destrói o ódio , a maldade, os demônios e o ego humano, varrendo a terra do mal, não significando necessariamente a destruição do mundo físico pelo fogo físico mas sim a destruição do mal pelo fogo sagrado.


Obrigado, Obrigado, Obrigado.

De volta para Casa …

30 de agosto de 2012

“Escuta a história do filho pródigo e aprende o que é o tesouro de Deus e o teu: esse filho de um pai amoroso deixou a sua casa e pensou que tinha dissipado tudo em troca de nada de valor, embora na época não tenha compreendido essa falta de valor. Ele tinha vergonha de retornar para seu pai, porque pensava que o tinha ferido. No entanto, quando veio para casa, o pai lhe deu boas vindas com alegria, porque o próprio filho era o tesouro de seu pai. Ele não queria nada mais. Deus só quer Seu Filho, porque Seu Filho é Seu único tesouro. Tu queres as tuas criações assim como Ele quer as Dele.”


Obrigado, Obrigado, Obrigado.

Caminhos que se cruzam (15)

29 de agosto de 2012

“Quando tu não estás em paz só pode ser poque não acreditas que estás Nele. Entretanto, Ele é tudo em todos. A Sua paz é completa e tens que estar incluído nela. As Suas leis te governam porque governam tudo. Não podes te isentar das Suas leis, embora possas desobedecê-las. Mas se o fizeres e só se o fizeres, sentir-te-ás solitário e impotente, porque estarás negando tudo a ti mesmo. Eu vim como uma luz a um mundo que, de fato, nega tudo a si mesmo. Faz isso simplesmente por dissociar-se de tudo. Ele é portanto, uma ilusão de isolamento mantida pelo medo da mesma solidão que é a ilusão do mundo. Eu disse que estou contigo sempre, até o fim do mundo. É por isso que Eu Sou a Luz do Mundo. SE EU ESTOU CONTIGO NA SOLIDÃO DO MUNDO, A SOLIDÃO DESAPARECE.”

Obrigado, Obrigado, Obrigado.

A estrutura do ego: pecado, culpa e medo. “A Expulsão do Paraíso”

24 de agosto de 2012


Extraído de “Introdução Básica a Um Curso em Milagres de Kenneth Wapnick”

“Quando sabemos verdadeiramente Quem somos e Quem é o nosso Pai, nosso Pai no Céu, não temos que nos proteger pois a verdade não precisa ser defendida. Contudo, dentro do sistema do ego, sentiremos que precisamos de proteção e assim sempre nos defenderemos. Portanto, esses dois ciclos realmente agem para manter todo o sistema do ego em funcionamento. Quanto mais nos sentimos culpados, mais atacaremos. Quanto mais atacamos, mais sentimos a necessidade de defender-nos da punição esperada ou do contra-ataque, que é, em si mesmo, um ataque.
O segundo capítulo do Gênesis termina com Adão e Eva de pé, nus, um diante do outro, sem vergonha alguma. A vergonha é apenas um outro nome para a culpa, e a ausência de vergonha é uma expressão da condição que existia antes da separação. Em outras palavras, não havia culpa porque não havia nenhum pecado. E no terceiro capítulo que se fala do pecado original, e esse começa com Adão e Eva comendo do fruto proibido. Esse ato constitui a sua desobediência para com Deus, e esse é realmente o pecado. Em outras palavras, eles vêem a si mesmos como se tivessem uma vontade separada de Deus e esta pudesse escolher alguma coisa diferente do que Deus tinha criado. E isso, mais uma vez, é o nascimento do ego: acreditar que o pecado é possível. Assim, eles comem esse fruto e a primeira coisa que fazem depois disso é olhar um para o outro—e dessa vez eles sentem vergonha e se cobrem. Colocam folhas de figueira sobre os seus órgãos sexuais e isso então passa a ser uma expressão da sua culpa. Compreendem que fizeram uma coisa pecaminosa, e a nudez de seus corpos vem a ser o símbolo de seu pecado. Conseqüentemente, eles tem que se defender disso, que passa a expressar a sua culpa. A próxima coisa que acontece é Adão e Eva ouvirem a voz de Deus, que os está procurando e agora eles ficam com medo do que Deus vai fazer quando os pegar. Assim se escondem nas moitas para que Deus não os veja. Aí está clara a conexão entre a crença no pecado—que é possível separar-se de Deus—e o sentimento de culpa por ter feito isso, seguido do medo do que vai acontecer quando Deus nos pegar e nos punir. De fato, à medida que o terceiro capítulo continua, Adão e Eva estavam absolutamente certos porque Deus realmente os castiga. A coisa interessante é que quando Deus afinal confronta Adão, ele projeta a culpa em Eva e diz: “Não fui eu que fiz isso, foi Eva que me fez fazer isso. (E sempre a mulher que leva a culpa). Então Deus olha para Eva, que faz exatamente a mesma coisa e diz: “Não fui eu que fiz isso. Não me culpe, foi a serpente”. Assim vemos com clareza o que fazermos para nos defender do nosso medo e da nossa culpa: projetamos a culpa em um outro.
Lembrem-se do que eu disse anteriormente: a culpa sempre exigirá punição. O ego exige que Adão e Eva sejam punidos por seu pecado, assim quando Deus os encontra, Ele os castiga com uma vida cheia de dor e sofrimento, a partir do nascimento até o fim, que é a morte. No fim do dia, vou dizer-lhes como Jesus desfaz todo esse processo. De qualquer modo, esse capítulo do Gênesis é o sumário perfeito de toda a estrutura do ego: o relacionamento entre pecado, culpa, e medo.
Uma das formas mais importantes do ego se defender da culpa é atacando outras pessoas, e é isso o que a nossa raiva sempre parece fazer: justificar a projeção da nossa culpa sobre os outros. É extremamente importante reconhecermos como é forte o investimento do mundo, e de cada um de nós como parte do mundo, em justificar o fato de estarmos com raiva, porque todos nós precisamos ter um inimigo. Não há ninguém neste mundo que, em um nível ou outro, não revista o mundo de qualidade boas e más. E nós separarmos partes do mundo e colocamos algumas pessoas na categoria do que é bom e outras na categoria do que é mau. O propósito disso é a nossa tremenda necessidade de termos alguém para projetarmos a nossa culpa. Precisamos de, pelo menos, uma pessoa ou uma idéia ou um grupo, que possamos transformar no bandido, no bode expiatório. Essa é a fonte de todo preconceito e discriminação. É a tremenda necessidade que temos, que usualmente é inconsciente, de encontrar alguém que possamos transformar no bode expiatório para podermos escapar da carga da nossa própria culpa. Foi isso o que aconteceu desde o início da história. Tem sido esse o caso em cada sistema de pensamento, ou forma de vida importante que jamais existiu no mundo. Tudo sempre se predicou com base no fato de existirem os mocinhos e os bandidos.”
Obrigado, Obrigado, Obrigado.

Milagres

21 de agosto de 2012

“”Os egos de fato se unem em aliança temporária, mas sempre em função do que cada um pode conseguir separadamente. O Espírito Santo só comunica o que cada um pode dar a todos. Ele nunca toma coisa alguma de volta porque quer que tu a conserves. Portanto seu ensinamento começa com a lição: PARA TER, DÁ TUDO A TODOS.”
Obrigado, Obrigado, Obrigado.

Caminhos que se cruzam (13)

2 de agosto de 2012

‎”Não posso unir a tua vontade à de Deus por ti, mas posso apagar todas as percepções erradas da tua mente, se as trouxeres à minha orientação. Somente as tuas percepções erradas impedem o teu caminho. Sem elas escolhes sempre acertadamente. A percepção sã induz à escolha sã” (UCEM)
Obrigado, Obrigado, Obrigado

Caminhos que se cruzam (12)

21 de julho de 2012

“Um Curso em Milagres usa a palavra ‘milagre’ significando simplesmente uma correção, o desfazer de uma percepção falsa. E uma mudança na percepção, é o perdão, é o meio através do qual vem a cura. Todas essas palavras são basicamente a mesma coisa. elas não têm nada a ver com o externo. Um milagre, ou algo que era assim chamado em termos de coisas externas, tais como andar na água, ou uma cura externa é apenas um reflexo de um milagre interno. Um milagre é uma mudança interna. Uma das frases mais bonitas no Curso define um milagre assim: “O mais santo de todos os lugares da terra é aquele onde um antigo ódio veio a ser um amor presente”. Isso é um milagre. Quando a sua percepção odiosa de alguém de repente muda e você olha com amor para aquela pessoa, isso é um milagre. E uma mudança na percepção; é uma correção que vai do modo de olhar do ego para o modo de olhar do Espírito Santo.”

https://sougrato.wordpress.com/ucem-um-curso-em-milagres/livro-de-exercicios/licao-07/

https://sougrato.wordpress.com/ucem-um-curso-em-milagres/livro-de-exercicios/licao-08/

Caminhos que se cruzam (10)

15 de julho de 2012

“5. Referiram-se correctamente a mim como o «cordeiro que tira os pecados do mundo», mas aqueles que representam o cordeiro manchado de sangue não compreendem o significado do símbolo. Corretamente compreendido, é um símbolo muito simples que fala da minha inocência. O cordeiro e o leão deitados lado a lado simbolizam que a força e a inocência não estão em conflito, mas naturalmente vivem em paz. «Bem aventurados os puros de coração, porque verão Deus» é outra maneira de dizer a mesma coisa. Ela não confunde destruição com inocência porque associa inocência com força, não com fraqueza.
6. A inocência é incapaz de sacrificar qualquer coisa porque a mente inocente tem tudo e só se esforça por proteger a sua integridade. A mente inocente não pode projetar. Só pode honrar as outras mentes porque a honra é o cumprimento natural dos verdadeiramente amados para outros que são como eles. O cordeiro «tira os pecados do mundo» no sentido que o estado de inocência ou de graça é aquele no qual o significado da Expiação é inteiramente sem ambiguidades. É perfeitamente clara porque existe na luz. Só as tentativas de amortalhá-la na escuridão têm feito com que a Expiação seja inacessível àqueles que não escolhem ver.
7. A Expiação em si não irradia nada além da verdade. Portanto, é o epítome de tudo o que é incapaz de causar dano e dela apenas bênçãos se irradiam. Não poderia fazer isso se não surgisse de qualquer coisa que não fosse a perfeita inocência. A inocência é sabedoria porque não está ciente do mal e o mal não existe. Todavia, está perfeitamente ciente de tudo o que é verdadeiro. A ressurreição demonstrou que nada pode destruir a verdade. O bem pode resistir a qualquer forma de mal assim como a luz elimina todas as formas de escuridão. A Expiação é, portanto a lição perfeita. É a demonstração final de que todas as outras lições que demonstrei são verdadeiras. Se podes aceitar esta única generalização agora, não haverá nenhuma necessidade de aprenderes outras lições menores. Tu és libertado de todos os erros se acreditas nisso.
8. A inocência de Deus é o verdadeiro estado da mente do Seu Filho. Nesse estado, a tua mente conhece Deus, pois Deus não é simbólico, é um Fato. Conhecendo o Filho Dele tal como é, reconheces que a Expiação, não o sacrifício, é a única dádiva apropriada para o altar de Deus, onde nada excepto a perfeição deve estar. A compreensão do inocente é a verdade. É por isso que os seus altares são verdadeiramente radiantes.”
Um Curso Em Milagres
Obrigado, Obrigado, Obrigado

Caminhos que se cruzam (5)

26 de junho de 2012

Pai, a minha liberdade está unicamente em Ti.

Eu não entendi o que me libertou, nem o que é a minha liberdade e nem onde devo procurar para achá-la. Pai, procurei em vão até ouvir a Tua Voz orientando-me. Agora não quero mais guiar a mim mesmo. Pois não fiz e tampouco compreendi o caminho para achar a minha liberdade. Mas confio em Ti. Tu, Que me dotaste com a minha liberdade como Teu Filho santo, não estarás perdido para mim. A Tua Voz me orienta e o caminho para Ti enfim se abre e se torna claro para mim. Pai, a minha liberdade está unicamente em Ti. Pai, é minha vontade voltar.”

“Hoje respondemos pelo mundo que será libertado junto conosco. Como estamos contentes por termos achado a nossa liberdade através do caminho certo estabelecido pelo nosso Pai. E como está garantida a salvação do mundo inteiro, quando aprendemos que a nossa liberdade só pode ser achada em Deus.”
Obrigado, Obrigado, Obrigado.

Caminhos que se cruzam (4)

14 de junho de 2012

“Hoje, o silêncio do Céu abraça o meu coração. “

“Pai, como é sereno o dia de hoje! Com que quietude todas as coisas acham o seu lugar! Esse é o dia que foi escolhido como o momento em que eu venho a compreender a lição de que não é necessário que eu faça coisa alguma. Em Ti, todas as escolhas já estão feitas. Em Ti, todos os conflitos resolvidos. Em Ti , tudo o que eu espero achar já me foi dado. A Tua paz é minha. O meu coração está quieto e a minha mente em repouso. O Teu Amor é o Céu e o Teu Amor é meu.”

 “A serenidade do dia de hoje nos dará a esperança de que achamos o caminho e já percorremos uma grande parte dele em direção à meta que é totalmente certa. Hoje não duvidaremos do fim que o próprio Deus nos prometeu. Confiamos Nele e no nosso Ser, Que ainda é um com Ele.”

Obrigado, Obrigado, Obrigado 

Perdão, Perdão, Perdão….

13 de junho de 2012

“Deixo o perdão descansar sobre todas as coisas, pois assim o perdão me será dado. “

“Pai, eu Te agradeço pelo Teu plano para salvar-me do inferno que fiz. Ele não é real. E Tu me deste os meios de provar a sua irrealidade para mim. A chave está em minhas mãos e alcancei a porta além da qual está o fim dos sonhos. Paro diante da porta do Céu e me pergunto se devo entrar e estar em casa. Que hoje eu não espere de novo. Que eu perdoe todas as coisas e deixe a criação ser como queres que seja e como é. Que eu me lembre que sou Teu Filho e, quando enfim abrir a porta, que eu esqueça as ilusões no esplendor da luz da verdade na medida em que a Tua memória volta a mim. Irmão, perdoa-me agora. Venho para levar-te para casa comigo. E, à medida que caminhamos, o mundo vai conosco no nosso caminho para Deus.”
Obrigado, Obrigado, Obrigado. 

Caminhos que se cruzam (2)

12 de junho de 2012


“Portanto, toda a vez que escolhendo cumprir ou não não sua função, na realidade estás escolhendo entre ser ou não feliz”.
“Quero aceitar o plano de Deus para a Salvação e ser feliz.”
“A escolha é sua, entre uma morte de sono e sonhos maus ou um despertar feliz e a alegria da vida. Obrigado, Obrigado, Obrigado.